Receba as novidades do nosso blog!

Fique antenado sobre várias profissões.

Professor da Multvix participa de Câmaras técnicas da AESBE

Professor da Multvix participa de Câmaras técnicas da AESBE

Faculdade Multivix possui no quadro de acadêmico o Professor Edmar José Zorzal que é Gerente Financeiro da CESAN e membro e coordenador ativo das Câmaras técnicas da AESBE.

O Professor do curso de Ciências Contábeis do campus de Cariacica e Vila Velha Edmar José Zorzal que também é Gerente Financeiro da CESAN, é membro e coordenador ativo das Câmaras técnicas da AESBE e contribui para melhorias no setor de Saneamento.

Composta por 55 membros das áreas financeiras e contábeis das 25 Companhias Estaduais de Saneamento, a Câmaras técnicas foi criada em 2006 e desde a implementação este grupo tem contribuído para a modernização das empresas do segmento. Em 2017, a CTCF se reuniu por duas vezes – julho e outubro. Foi nesse ano que a referida Câmara criou o Parecer Técnico que apresenta critérios que proporcionam às empresas do setor desenvolver um

Único discurso em relação à forma de apuração dos seus tributos, tanto do ponto de vista legal, quanto jurisprudencial.

Ainda em 2017, a Câmara iniciou o trabalho de execução do Manual de Alocação dos Custos Indiretos de Produção e Despesas Estruturais e Corporativas para as Atividades de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário. O objetivo é orientar os usuários nas práticas de contabilidade de custos nas empresas estaduais de saneamento básico, especificamente com relação a técnicas, critérios e procedimentos de alocação das receitas, com base nas diretrizes da Lei de Saneamento 11.445 de 2007. O trabalho será concluído no primeiro trimestre de 2018 e entregue às empresas associadas à Aesbe.

“Como membro e coordenador, vejo a CTCF como um espaço de discussão e troca de experiências das principais temáticas que envolvem as áreas contábil e financeira das empresas associadas à Aesbe.

A partir dessas discussões, em 2017 foram elaborados as estratégias para o desenvolvimento de trabalhos como o “Manual de Alocação de Custos e Despesas” e o “Parecer Técnico sobre impostos e contribuições”. Entendo que as reuniões proporcionam de forma mais rápida e eficaz a troca de experiências. Consequentemente, com esse benchmarking, os processos das empresas passam por melhorias a um baixíssimo custo se comparados com a contratação de consultoria. Foi durante os nossos encontros anuais que constatamos que as empresas de saneamento básico desempenham a mesma atividade social, porém, a despeito de todas as semelhanças, divergem em muitos aspectos na apuração do Imposto de Renda – IRPJ, Contribuição sobre o Lucro Líquido – CSLL e, especialmente, Contribuição ao PIS e Confins. ”